sábado, 18 de janeiro de 2014

Artur Gomes no 27 PSIU Poético


Artur Gomes no 27 PSIU Poético
interpretando Torquato neto e Paulo Leminski
Montes Claros-MG – outubro 2013

Agora não se fala mais
Agora não se fala nada
Toda palavra guarda uma cilada





CarNAvalha
Torquato Neto Re-Visitado


falso fausto é todo aquele
que te defende pela frente
e te ataca pelas costas
odeio falsidade bosta
estou dando adeus desta cidade
procurando outras pessoas
encontrando outros poetas
o meu poema não tem nenhuma
linha reta
tenho só sagaraNAgens
no projeto escriDuro
meu verbo é foda na boneca
"eu sou a mosca que pousou na sua sopa"
- sou o passado do presente
pra desafinar o seu futuro


Artur Gomes


Leve um homem e um boi ao matadouro o primeiro que berrar é o homem, nem que seja o boi – Adeuzão (Torquato Neto)




Fulinaíma Produções – 
Cine Vídeo Teatro Poesia – 
Oficinas - Mostras - Performances –

quando olho nos olhos
sei quando uma pessoa
está por dentro ou está por fora
quem está por fora
não sustenta um olhar que demora
diante do meu centro
este poema me olha

Paulo Leminski
http://www.youtube.com/watch?v=29ar8LdbF9s&feature=youtu.be

Oficina de Poesia Falada e Produção de Vídeo
Fulinaíma Produções

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Mostra Internacioal de Poesia Visual



Artur Gomes no 27 PSIU Poético 1
Montes Claros-MG - outubro 2013



Fulinaimagem
1

por enquanto
vou te amar assim em segredo
como se o sagrado fosse
o maior dos pecados originais
e a minha língua fosse
só furor dos canibais
e essa lua mansa fosse faca
a afiar os verso que ainda não fiz
e as brigas de amor que nunca quis
mesmo quando o projeto
aponta outra direção embaixo do nariz
e é mais concreto
que a argamassa do abstrato

por enquanto
vou te amar assim admirando o teu retrato
pensando a minha idade
e o que trago da cidade
embaixo as solas dos sapatos

2

o que trago embaixo as solas dos sapatos
é fato
bagana acesa sobra o cigarro é sarro
dentro do carro
ainda ouço Jimmi Hendrix quando quero
dancei bolero sampleando rock and roll
pra colher lírios há que se por o pé na lama
a seda pura foto síntese do papel
tem flor de lótus nos bordéis Copacabana
procuro um mix da guitarra de Santanna
com os espinhos da rosa de Noel


Artur Gomes








além da flor na carne por detrás das transparências invento uma palavra pra falar na  tua boca enterro unhas nas entranhas da paulista augusta ainda dorme no edifício ao lado 18 milhões de boca esperando o gozo ainda não sei dizer se a fome essa pantera su-realista me deixará inteiro até o fim do dia




artur gomes





XIX Mostra Internacional de Poesia Visual
6 a 11 de outubro de 2014 – Bento Gonçalves-RS
Tema: 1964 – 2014 – Um Golpe de Dados na História
Remessa de Poemas Visuais até 1 de setembro para
Caixa Postal 45 – bento Gonçalves-RS – 95700.000
XXII Congresso Brasileiro de Poesia


1º de Abril

telefonaram-me
avisando-me que vinhas
na noite
uma estrela
ainda brigava
contra a escuridão
na rua sob patas
tombavam
homens indefesos
esperei-te 20 anos
e até hoje não vieste
à minha porta

- foi um puta golpe

Artur Gomes

In Suor & Cio – 1984
oficina de poesia falada e produção de vídeo
https://www.facebook.com/oficinapoesiafalada?fref=ts